Scrumban é uma combinação do que há de melhor de dois frameworks da metodologia ágil: Scrum e Kanban. Esse “shipper”, criado pelo desenvolvedor e praticante da estrutura Lean, Corey Ladas, nasceu da necessidade de gerenciar determinados fluxos de trabalho de uma forma mais completa e com um processo evolutivo que parte do Scrum para o Kanban.

 Assim, conseguimos conciliar as características prescritivas do Scrum à capacidade de melhoria contínua do Kanban para atender demandas que vão além do desenvolvimento de software.

É importante começar essa leitura já entendendo que nenhuma das estruturas citadas neste artigo invalida a eficiência da outra, ou é considerada melhor ou pior. Temos apenas que entender em que momento usar cada uma delas, porque o que muda são as necessidades do projeto.

 Por isso, no artigo de hoje eu vou te mostrar o que é o Scrumban e quando usar este framework para ampliar o poder de gerenciamento dos seus projetos.

Para começar, vamos relembrar os conceitos e diferenças entre Scrum e Kanban?

O que é o Scrum?

 Segundo o Guia Scrum, escrito e fornecido pelos próprios criadores do framework, Ken Schwaber e Jeff Sutherland, o Scrum é uma estrutura para o desenvolvimento e manutenção de produtos complexos.

 É o framework mais popular da ágil, usado para fazer com que as equipes trabalhem de forma colaborativa e eficaz, solucionando problemas organizadamente enquanto entregam novos produtos com mais criatividade e produtividade.

 O Scrum é uma estrutura leve e de fácil compreensão, a ideia é organizar entregas concretas de forma contínua.

Algumas características do scrum:

  • O Scrum é composto por processos frequentes e prescritivos;
  • Possui eventos definidos – Sprint, Sprint planning, Daily Scrum, Sprint Review e Sprint Retrospectivo;
  • Não há hierarquia, mas sim uma definição de papéis para atribuir as responsabilidades de cada um – Scrum Master, Product Owner e Development Team;
  • O projeto é dividido em ciclos de trabalho chamados de Sprints, que podem durar o time box de uma, duas semanas ou, no máximo, um mês;
  • O Backlog (lista de tarefas) passa por uma priorização e a equipe define o que ela será capaz de entregar ao final do sprint;
  • Os ciclos do Scrum são fechados, ou seja, novas tarefas só são acrescentadas às filas no começo dos sprints, se surgirem mais coisas é necessário esperar o sprint ser finalizado;
  • As equipes geralmente são pequenas e autogerenciáveis;
  • Não há limites para o número de ações sendo executadas na lista FAZENDO.

O que é Kanban?

 Enquanto o Scrum suporta muito bem, principalmente, os fluxos de projetos de desenvolvimento, o Kanban é um mecanismo visual de gestão onde a equipe trabalha de forma colaborativa sinalizando o status de cada tarefas, fila,  item ou processo através de cartões.

 O kanban é focado no time e em aliviar a sobrecarga das pessoas através da criação de um processo consistente. Serve perfeitamente para fase de produção, manutenção e controle de fluxos de trabalho.

Através desse sistema é possível ter mais organização e poder de gestão, o que possibilita a melhoria contínua nos processos recorrentes.

 Algumas características do Kanban:

  • O Kanban é composto por cartões que vão avançando por colunas de um quadro para ilustrar o status atual da atividade;
  • É um processo contínuo. Nele não existem sprints, se novos ítens aparecem durante o fluxo, eles podem ser priorizados, não é necessário esperar o final de um ciclo;
  • As listas do Kanban são flexíveis. É possível inverter, retirar ou acrescentar itens sempre que necessário;
  • A lista WIP (Work in progress) é limitada, pois o princípio do kanban é terminar mais tarefas. ao invés de começar várias coisas ao mesmo tempo. O máximo recomendado na lista “FAZENDO” são dois itens;
  • O lead time da atividade deve ser mensurado e otimizado para ser o mais curto possível;
  • O Kanban é muito versátil e adaptável, pode ser utilizado em diversas ocasiões, porém deve refletir a realidade e maturidade da equipe;
  • É um processo evolucionário. É necessário medir, avaliar, acompanhar e otimizar constantemente para evoluir cada vez mais.

E o que é Scrumban? Por que eu preciso dele?

 Nós vimos o que são o Scrum e o Kanban e as diferenças entre eles, mas quando fazemos comparações desse tipo, algumas pessoas podem achar que um pode ser melhor do que o outro quando, na realidade, ambos são eficientes em situações específicas. 

Por exemplo, o Scrum é uma ótima porta de entrada para equipes experientes que precisam desenvolver novos produtos, com um backlog já definido, mas o que acontece depois da produção?

 O Scrum sozinho pode apresentar dificuldade em atender todas as necessidades de gestão de um fluxo do começo ao fim. Enquanto isso os princípios e práticas presentes no Kanban podem preencher essas lacunas e dar um potencial de gestão mais abrangente ao fluxo.

 Assim, podemos dizer que o  Scrumban é uma evolução do scrum, que marca um processo transitivo em que uma equipe Scrum passa a utilizar as práticas enxutas do Kanban. 

Geralmente isso acontece quando o time enfrenta dificuldades em relação aos seus fluxos de trabalho e precisa de algo mais avançado, no sentido de gestão, o que geralmente está ligado aos princípios do Kanban. 

 Enquanto o Scrum é mais uma receita pronta, o Kanban se mostra mais dinâmico e fluido. Portanto, unir esses dois conceitos resulta no Scrumban, que segue as instruções do Scrum para se manter ágil, mas agrega a natureza de melhoria contínua do Kanban para promover o aperfeiçoamento das ações e da equipe como um todo. 

Quando usar o Scrumban?

Você pode considerar usar o Scrumban em algumas situações:

  • Quando só o Scrum se mostrar limitado em relação a gestão de processos, etapas, fluxos de trabalho e assim por diante;
  • Em projetos que necessitam de melhoria contínua;
  • Em etapas que antecedem ou sucedem a fase de produção no desenvolvimento de projetos;
  • Em processos de suporte, tratamentos de problemas e bugs.

5 dicas para implementar o Scrumban

Estamos chegando ao final deste artigo. Se você deseja implementar o Scrumban, recomendo ler a obra de Corey Ladas, intitulada Scrum-ban para compreender melhor as práticas e se aprofundar no tema. 

 Como pontapé inicial deixo aqui 5 conselhos para quem deseja começar a utilizar esse framework ágil em seus projetos:

1- Comece de onde você está

 Não é necessário recriar seus processos do zero. Apenas mantenha o que você já faz com o Scrum e vá incrementando as práticas do scrumban aos poucos, conforme fizer sentido. Esse é um processo evolutivo de mudanças suaves e contínuas.

2- Transforme-se constantemente

 É importante saber que quando o processo de evolução começa, ele não termina mais. Evolua aos poucos e sempre que precisar, pois assim o processo e a equipe se tornam cada vez mais eficazes. Isso gera diversos benefícios como: melhora da qualidade dos produtos, diminuição de desperdícios, aumento da satisfação do cliente, otimização do processo e aperfeiçoamento da equipe.

3- Identifique as Métricas mais importantes

As métricas são extremamente importantes para identificar oportunidades de melhorias. É necessário mensurar a produtividade e capacidade de entrega da equipe, mas você pode começar aos poucos. Identifique o que é mais importante no seu processo e comece mensurando pelo menos uma métrica, depois vá acrescentando conforme a necessidade. 

4- Tire a política da cabeça das pessoas

Em qualquer tipo de implementação, seja de scrumban ou de qualquer outro sistema, é muito importante que  a forma de trabalho, política ou regras, sejam documentadas e divulgadas de forma clara para as pessoas.  

Falando do Scrumban, quais são os critérios para que um quadro seja arrastado de uma coluna para outra? É importante ter esses requisitos documentados em algum lugar de fácil acesso aos usuários, para que não fique apenas na cabeça dos participantes.

5- Tenha cadências 

 Diferente do Scrum, que tem as cadências bem definidas e interdependentes, o Kanban tem menos formalidade neste sentido. Isso porque ele é mais fluido e permite o reabastecimento de itens nas listas a qualquer momento. O scrumban, por sua vez, possui as cadências, mas é importante formalizá-las para que a equipe tenha direcionamento, clareza das prioridades e visão do momento da entrega.

Um alerta antes da despedida: Scrumban não é uma fórmula mágica!

 É isso aí, não podemos achar que o Scrumban seja a resposta para todos os nossos problemas. A comunidade ágil tem diversos frameworks e o melhor que podemos fazer é conhecer cada estrutura e procurar as melhores soluções de acordo com nossas necessidades.

 Agora você já sabe o que é Scrumban! Espero que você tenha encontrado neste artigo a resposta que procurava. Deixe a sua opinião aqui nos comentários e se tiver alguma dúvida é só nos falar.